Pages

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

These are the days worth living

Falta pouco para a meia-noite, o que significa que falta pouco para um novo começo e para novos sonhos. Por mais que devêssemos sonhar e acreditar o ano todo, é apenas nesta data que a maioria das pessoas crêem com todo coração que a vida pode ser melhor e que tudo pode realmente mudar.

Quando chega o dia 31 de dezembro, confesso que sou uma dessas pessoas. E a cada segundo mais perto da virada, mais eu tenho fé e esperança de que o ano que chega vai me trazer surpresas maravilhosas e vai ser tão inesquecível quanto o que passou. Hoje, eu diria que 2011 vai ter um grande trabalho pela frente se quiser superar o meu 2010.

Diferente de outros, este já começou bem. Nesta mesma hora eu estava em Gravatal - Santa Catarina na beira de uma piscina toda decora e, o mais importante, junto dos meus amigos. Estávamos ansiosos discutindo as atrações da festa de formatura que iria acontecer em alguns meses. Comentávamos o fim das aulas, das pressões do TCC, nossos trabalhos. Viramos o ano em festa, rindo, brincando no meio da rua e cheios de alegria.

E os meses realmente voaram até a tal festa. Mas antes eu tive direito a um carnaval diferente junto com alguém que foi especial por um tempo. Alguém que lembrou de ligar a meia noite do dia 28 de fevereiro para me desejar Feliz Aniversário, que quis andar de mãos dadas comigo no shopping e que lembrou de comprar a gravata que eu tinha escolhido para combinar com o meu vestido de formatura. Mas também um alguém que me decepcionou, que mentiu, que fingiu e partiu meu coração num feriado de Páscoa que eu não faço muita questão de lembrar.

Antes da festa preciso lembrar ainda da minha melhor amiga voando para São Paulo só para comemorar comigo e, claro, além dela, meus amigos, aqueles mesmo da viagem de Gravatal aguentando uma balada miada e terminando a noite em grande estilo no Burguer King da Santo Amaro. Foi a prova de que com eles qualquer lugar vira uma festa.

Por fim chegou o grande dia: 13 de março de 2010 chegou e se foi sem quase a gente perceber. Digo quase porque que memórias eu tenho daquela noite. Tanta felicidade e tanta decepção misturadas que eu não consigo até agora entender o que pesou mais. Eu ri e me diverti com aqueles quatro que fizeram meus anos de faculdade inesquecíveis, mas chorei no ombro desses mesmo quatro quando foi obrigada a assistir minha melhor amiga dando PT de tanta bebida e meu garoto me deixando no meio da festa para cuidar dela na enfermaria. Dai para frente foram uma sucessão de mentiras, histórias cruzadas e falatório que eu prefiro deixar para lá. Apesar que foi neste ponto que certas coisas começaram a degringolar...

Os meses foram passando e eu ainda não tinha engulido essa história. Eu estava perdida, triste e sozinha, mesmo com tanta gente ao meu lado e eu achei que passar um tempo longe daqui me ajudaria. Foi ai que eu decidi fazer as malas e topar a viagem da Fisk para Toronto. Um mês longe me traria uma experiência incrível e concertaria a minha bagunça mental, sentimental. E foi isso que aconteceu, aliás, muito mais que isso.

Eu vivi o melhor mês da minha vida. Conheci pessoas de vários países, de diversas culturas. Chorei de rir e aprendi muito mais que o inglês. Mas que isso, eu ganhei amigos: Lívia, Gabriel, João; ganhei conhecidos de outras partes do mundo que, talvez, nem lembrem mais de mim, mas fizeram parte do meu 2010: Ali, Carlos, Jason, Anna, Olivia, Paul; e acima de todos esses uma alma gêmea: Fagner, ou melhor, Madonna. Sem vocês as noites pela cidade, a nossa virada no banco da praça em frente a escola, os passeios no Eaton Center, as quase mortes, os perigos, as viagens de ônibus e metrôs, as compras, as andaças, os shows do BEP e da Gaga não teriam sido tão bons e nem feito tanto sentido. A vocês que participaram dessas aventuras meu MUITO OBRIGADA por me mostrar que a vida pode ser melhor mesmo sendo tão louca.
Mas eu não posso falar da minha visita a Toronto sem agradecer àqueles que me deram moradia, comida e conforto enquanto eu estava lá. Minha host family que me recebeu de braços abertos e me ajudou com as dificuldades não só da língua, como da vida e do coração. Georgetta e Veronel, eu nunca vou esquecer vocês e, muito menos, tudo que vocês fizeram por mim.

Os dias passaram voando e o Niagara, a CN Tower e Toronto ficaram para trás. Era agosto e era hora de voltar para casa. Não sem uma lembrança básica desses dias. Minha Treble Clef tatuada no tornozelo para tornar tudo ainda mais inesquecível. Mas de volta ao lar e com a cabeça e o coração de volta ao lugar eu percebi que eu nunca estive sozinha.

E se lá eu tive direito a show da Lady Gaga e do Black Eyed Peas, aqui eu voltei para os braços dos shows da Família Mash. E quanto orgulho os meus meninos me deram esse ano. Tanto orgulho, quanto trabalho e quanto amizade. Não me arrependo de ter faltado no trabalho para vê-los no Acesso MTV e nem de todas as horas em pé esperando os shows que sempre atrasavam. É que nessas horas eu me lembro das risadas com vocês no camarim, dos abraços do Cardim que sempre me matam, do carinho do Mau, do bolo do Gudino, da cara de criança do Victor vendo o Buzz Light Year e do Uriel sumindo sempre que eu resolvo falar com ele. Vocês cinco coloriram meu 2010, foram a trilha sonora dos meus finais de semana e me fizeram/fazem acreditar em união, em sonho e em força de vontade.

Por sinal, vocês também me fizeram acreditar em amizade. Afinal de contas foi graças a vocês que ganhei uma porção de pessoas especiais na minha vida. O que teria sido do meu ano sem a minha Paola Poder, Bia Amaro ou sem o pai do meu filho (ou seria meu pai agora?) Jhonny? E sem a Gabi, a Tamara, a Joyce, a Deebs, a Vevez, a Khel, a Ruama? Com certeza eu não teria tido tantos bons momentos e tantas boas risadas. Ninguém melhor do que eles para entenderem as piadas internas de Cross Fox, Arlindo, Bruno, Uriel. Segredos de uma família, a minha Família Mash! Mas falta ai uma pessoa muito importante e, talvez, um dos grandes responsáveis por eu gostar tanto dessa banda e desses shows: Gabriel Barros. Se não tiver luz na cara, risadas, conversas sem pé nem cabeça e atenção, não é apresentação da Mash né Gabs? Eu já disse uma vez e vou dizer de novo: você é O cara e, para mim, um amigo que me arranca gargalhadas e me faz acreditar num mundo mais leve, mais divertido. Falta agradecer também algumas outras pessoas: Bruna Ferrari, obrigada por me deixar te zuar com a família Restart e nem querer me matar por isso; Pedro Sattin, obrigada por ajudar o #Porra Mash com fotos hilárias dos shows e aguentar eu te enchendo por isso; Marjorie, Carol Cabrino, Tia Sueli, Tio Saulo obrigada pela atenção com a gente sempre; Tio Davi, obrigada por levar nossas brincadeiras numa boa e por aceitar ter tantas filhas; Tia Mari, obrigada por não expulsar a gente do camarim e dar sempre um jeito para que consigamos ver os meninos; Camila Barros, obrigada por ser uma criança, verdadeira que só e por me divertir nos shows com suas observações sobre nossas roupas, cabelos e esmaltes.

Dá para notar que meu 2010 foi bastante animado e bastante recheado de momentos e pessoas importantes. E isso não é nem metade. Eu não posso concluir este texto se eu não agradecer a Vivian e ao Klaus por não me deixarem em casa um único final de semana e me fazerem engordar, no mínimo, uns cinco quilos. Obrigada pelas experiências novas, pelos colos, pelos e-mails que fazem as horas passarem mais rápido no trabalho. Obrigada pelas horas de conversa fiada no msn ou via sms. Obrigada por sempre estarem por perto quando eu preciso e mesmo quando eu não preciso. Além deles, preciso agradecer ao Leandro por estar perto na hora que eu mais preciso; por me chamar de tosca ao mesmo tempo que é capaz de dizer coisas tão lindas e elevar minha auto estima. Obrigada por me aguentar, por entender meus chiliques e estar sempre pronto a ajudar. Bruna, apesar de você ter se distanciado de nós você é e sempre vai ser parte desse time. Nosso quinteto funciona melhor completo e, não importa o que aconteça, ele vai estar sempre junto. Carol, Cássio e Fernanda obrigada por se juntarem a nós, por compartilharem suas histórias, seus segredos e por aceitarem fazer parte de uma irmandade tão maluca rs

Por falar em irmandade eu preciso resaltar duas. Uma de sangue e uma de parceria. Thaiane, minha hermanita, eu sei que é tudo muito novo para nós. Novo e estranho, mas obrigada por se aproximar de mim neste ano. Obrigada por me encher de orgulho e por me apresentar para todos como sua irmã. Eu sempre quis ter uma irmã mais nova e, mesmo que a gente nunca tenha um relacionamento tão próximo, essa ligação vai existir para sempre e eu te agradeço por não querer quebrá-la. Três são melhor que um não é? E ninguém vai ser doido de mexer com os irmãos Scott. Meus irmãos Scott! Cindy, como você disse, você colocou meu ano para ferver. Eu não imagino metade dos meus dias sem a sua companhia. Seja no msn para surtar comigo, dizer que eu tenho muito caminhão para pouca areia ou nos shows da mash, do 3OH!3, do Christopher na Mix. Obrigada por me fazer rir, por me acompanhar nas minhas loucuras e por me trazer de volta a Terra quando eu preciso. Obrigada pela parceria e, acima de tudo, pela amizade!

E em ano de festa de formatura, eu também tive outra graduação para me orgulhar. Agora eu tenho um diploma de espanhol para ostentar e uma parejita que me aguentou por quatro longos anos com o mau humor matinal de todo sábado e nem assim desistiu de mim. Diego, obrigada por transformar minhas aulas em diversão, por não querer me socar e por discordar de mim sempre em todos os assuntos, obrigada por ser mais que um colega de classe, por se preocupar com a minha mãe e por ser um amigo de verdade. Obrigada também, é claro, a minha professora Lígia e a todos os outros colegas de classe que concluíram o curso comigo ou que passaram e se foram nesse período.

Eu tenho tantos obrigadas para dizer ainda e tantos momentos que eu queria compartilhar. E daí que o texto está ficando imenso? E daí que ninguém vai ler? Eu não ligo. É minha vida, são minhas memórias e são parte de um dos melhores anos. Então eu vou continuar agradecendo aquela que veio de longe para me ver: obrigada Lorrana. Obrigada por estar ao meu lado nos dias difíceis e por sempre desistir de me matar, mesmo quando eu te irrito. Obrigada Marina, Gabriela, Djuli, Thássio, Carol, Babi, Luana e Bruna por terem deixado de ser fake a muito tempo e terem se tornado parte essencial da minha vida. Obrigada Cah, Bruno, Vitor e Luciana por confiarem em mim e se importarem comigo estando eu ou não nos Uckers. Obrigado pela amizade que vocês me dão todos os dias e por compartilharem suas histórias. Obrigada Tiêgo, Jennifer, Del por serem os que mais me apóiam com esse blog, por virem aqui ler os meus devaneios e por me ajudarem tanto a crescer com meus textos. Obrigada Márcio por perdoar a minha preguiça e não ter ido te ver aqui em São Paulo, por me fazer morrer de rir no msn e por me dar conselhos sempre. Enfim, se eu esqueci de alguém, não se sinta menos importante porque seu nome não está aqui em negrito. Talvez eu tenha tido com você momentos tão inesquecíveis quanto esses, só não consegui colocar no papel. De qualquer forma, muito obrigada!

E antes de terminar eu queria pedir desculpas a três pessoas muito importantes. Eu sei que um texto não vai mudar nada, mas eu quero ter certeza de que eu fiz a minha parte e quero entrar 2011 livre de qualquer mal entendido. Marcella, eu queria que você estivesse comigo no aniversário, na formatura. Queria que você tivesse entendido que tudo que eu falei foi porque eu realmente gosto de você demais e quero seu bem. Me desculpa se eu fui grossa, mas eu não me arrependo de nada que eu disse. E se o preço para isso foi perder sua amizade, eu só queria agradecer pelos anos e pelas coisas boas que você me trouxe. Feliz 2011. Tiago, confesso que até agora eu estou tentando entender o que houve entre a gente. Eu sei que eu pisei na bola, mas você me deixou confusa e agiu como se fosse uma pessoa totalmente diferente daquele que era meu melhor amigo, que eu conhecia e que eu amava. Se eu te dei sinais errados, desculpe, mas eu não queria nada além da sua amizade, daquela amizade que me fazia tão bem. Você é e sempre vai ser importante demais para mim e eu espero que nesse ano a gente consiga reparar os danos e voltar ao que éramos. Mariana, você mudou toda a história e agiu como se eu fosse a culpada pela ruína da nossa amizade. Acontece que eu fiquei magoada demais com aquele 13 de março e meu erro foi ter guardado isso por tanto tempo. Me desculpa por isso, mas eu me senti traída pelo seu show particular na formatura. Sei que foi por isso que nosso ano não saiu como o planejado, mas percebi que ainda tem jeito para reconstruirmos tudo quando você apareceu no momento que eu mais precisava. Desculpa se eu sou cabeça dura o bastante e se eu demoro para entender as coisas, mas obrigada por gostar de mim e da minha família mesmo assim e deixar de lado tudo para me estender a mão. Muito obrigada.

Acabou, eu juro rs Assim como meu 2010 está prestes a acabar. Vou-me embora pronta para vestir meus novos sonhos, minhas novas lágrimas, meus novos sorrisos e minhas novas histórias para encher de novo esse espaço em 2011. FELIZ ANO NOVO

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Fragile

Meu coração é frágil. Ele precisa de cuidado, atenção, carinho e muito amor. Já foi muito machucado, você entende não? Antes de colocá-lo dentro de um potinho para protegê-lo, eu o fiz amar muito. Me descuidei por um instante e permiti que o quebrassem. Foi difícil reconstruí-lo. Na verdade, até hoje ele sofre com a cicatriz que ficou. Nunca consegui colá-lo por completo e acho que nem vou conseguir. Às vezes, sem hora ou lugar, essas marcas começam a doer muito e eu tenho certeza que não vou sobreviver. Mas são nesses momentos que eu olho para meu lado e te vejo. Vejo seu sorriso, seus olhos e por um breve instante eu tenho a plena certeza de que você vai saber cuidar do meu coração. Só que esse instante passa e eu entendo que você é tão normal quanto os outros e que é perigoso me entregar, assim, de bandeja a você. Por mais que eu queira, por mais que eu te ame, meu coração continua frágil. Frágil demais para você!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Clichê

Odeio clichês. Nada mais clichê do que isso, eu sei, mas eu realmente não me sinto a vontade com o clichê que transformaram a vida. Tudo tão rápido, tão fugaz. Um dia você conhece, no outro você ama e no seguinte já está odiando e tentando seguir em frente. E ai tudo recomeça. Do mesmo jeito, sem muita emoção. É como se tivéssemos entrado em um circulo vicioso. Sabe aquela roda que os hamsters usam para brincar? Estamos vivendo mais ou menos assim. Presos dentro das nossas próprias gaiolas andando seguidamente em nossas rodinhas particulares que saem do nada e chegam no lugar nenhum. E quando alguém tente romper esse vício, a gente não deixa. Temos medo de sair do nosso mundinho, do nosso cubículo seguro. Temos medo de abandonar o clichê da vida para arriscar algo novo. Somos humanos ok? A gente não gosta mesmo do que é diferente. É da vida. Quase ninguém tem coragem de arriscar uma nova perspectiva. Se bem que, lá no fundo, é só isso que todo mundo quer. Cada um de nós tem no íntimo o imenso e incomparável desejo de voar, de se atirar no abismo e deixar as coisas acontecerem. O desejo de não ter que parar para compreender, mas para aproveitar, contemplar. Todo mundo tem essa vontade, mas o medo, o clichê, complica tudo. Por que arriscar ser o louco se há um lugar mais seguro e incólume para viver? Acho que parar encontrar essa resposta alguém precisa pular primeiro... Você se arrisca?

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

I like that bom bom pow!


Insano. Não existe palavra que defina melhor o show de encerramento da turnê The E.N.D da banda Black Eyed Peas que rolou ontem no estádio do Morumbi em São Paulo. Depois de uma seqüência de apresentações em oito cidades brasileiras, o BEP aterrissou por aqui pronto para uma apresentação memorável e conseguiu o feito.

Antes do grupo de Los Angeles pisar no palco, foi do DJ inglês David Guetta a missão de animar a galera. E ele fez bonito! As cerca de 60 mil pessoas foram ao delírio ao ouvir "Gettin' Over You" com direito a participação de Fergie ao vivo. Mas não parou por ai. Se a abertura surpreendeu, o encerramento da apresentação de Guetta foi mais sensacional ainda: Akon surgiu no palco para entoar o hit "Sexy Bitch".

Depois de um intervalo curto, pontualmente às 22h Fergie, Taboo, APL e Will.I.am provaram que sabem como levar a platéia ao delírio. Ao som de "Let's get started" o quarteto fez sua primeira aparição e foi ovacionado pelos fãs. A cena se repetiu durante as pouco mais de duas horas de show. Todos os sucessos da banda eram acompanhados pelos presentes que não paravam de cantar, pular e gritar.

Quem acompanha o blog sabe que eu já havia assistido a mesma apresentação do BEP em Toronto há alguns meses. Eram o mesmo set list, os mesmos textos (trocando apenas Canadá por Brasil, claro), o mesmo figurino. Tudo igual, não fosse a vibe brasileira que fez o show ser completamente diferente, totalmente novo!!

Mas claro, além disso, rolou também a substituição de um Taboo na moto sobrevoando a platéia por um Taboo cantando com direito a Juanes no telão (o que me fez ir a loucura, confesso) e um Will .I.am rasgando elogios para as brasileiras.

Se eu tivesse que escolher entre as duas apresentações, com certeza escolheria a de ontem. Foi lindo, incrível e nem que eu passasse horas descrevendo conseguiria chegar perto do que realmente aconteceu. Só posso repetir: INSANO!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Federal

Em cartaz há quase um mês "Tropa de Elite 2 - o inimigo agora é outro" de José Padilha é sucesso absoluto de bilheteria. As salas que exibem o filme estão lotadas e é difícil encontrar uma sessão. Mais de um milhão de pessoas já assistiram ao filme que narra a briga do Capitão Nascimento contra o sistema político/policial brasileiro.

Tentando embarcar nessa onda, estreou há pouco mais de uma semana "Federal" com direção de Erik de Castro. Pronto desde 2008, o filme conta com a participação de Selton Mello e do ator americano Michael Madsen e conta a história de quatro policiais federais que tentam desarticular um sistema de tráfico de drogas no alto escalão de Brasília. Enredo te lembra alguma coisa? Pois é!

Exatamente ai começam e terminam as semelhanças com Tropa. Ao contrário do irmão famoso, "Federal" é um show de horrores em quase duas horas arrastadas na tela. Não há história, não há sentido, não há sons e, muito menos, efeitos especiais. Agora cenas de sexo não faltam. Só resta a pergunta: que função elas têm no desenrolar da história?

Os personagens não trazem conexão, coerência ou carisma. Nem Selton Mello escapa da atuação pífia. Não lembra nem de longe a estrela de O Auto da Compadecida.

Mas nem tudo é desgraça nesse filme. Sobra pelo menos uma boa frase que faz jus às horas perdidas na sala de cinema: "Se tem uma coisa que funciona no Brasil é o crime".

Se Tropa merece o Oscar de filme estrangeiro, Federal merece, com toda a certeza, o troféu Framboesa de Ouro.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Vejam só

Apagaram-se as luzes. O picadeiro da minha vida está silencioso. Eu vejo risos, alegria e faço uma multidão rir. Coloco cores no rosto e levo essas mesmas cores para dentro da vida de tantas outras pessoas. Mas aqui dentro? Aqui dentro não há cor, não há vida. O palhaço tira a máscara, limpa o rosto. Chora a lágrima sobre a boca que acabou de fingir um sorriso. Meu picadeiro está vazio. Não posso ouvir nada. Não posso sentir nada. Nem meu coração, o velho coração insistente, eu consigo ouvir mais. Ensurdeci, emudeci, empalideci. As cortinas que teimam em se abrir anunciando um novo espetáculo, só me obrigam a segurá-las cada vez mais forte. Não quero um novo um começo porque, tão pouco, quero um novo fim. Já encerrei minha participação na novela, no teatro da vida e agora quero minha merecida paz, meu descanso. As roupas coloridas já ficaram pelo chão. Junto delas deixo tudo: agonia, solidão, rancor. Visto preto, visto branco. Visto meu luto e minha paz. Não resta mais tinta, não restam mais sons, não resta mais nada. Só um picadeiro vazio e um palhaço esquecido pelo tempo que já não ri, que já não chora, que já não sente...

Ah, o mundo sempre foi
Um circo sem igual
Onde todos representam bem ou mal
Onde a farsa de um palhaço é natural
(Sonhos de um palhaço - Antônio Marcos)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Inside

Enquanto olhava o trânsito lá fora, via a sua vida passando através da vidraça embaçada. Relembrava cada segundo que vivera nos últimos meses e tentava analisá-los friamente. Em vão. Tentava segurar o choro e controlar a enchente de sentimentos que aquela simples ação trazia. Hora sentia vontade de rir, hora de gritar e, talvez, em alguns momentos tenha chegado a pensar em sucumbir. Era dor demais, medo demais, solidão demais. Ela não sabia lidar muito bem com aquilo. Nem sabia da onde vinha e como tinha acontecido.

Balançava os pés descalços tocando a parede hora ou outra e recostava-se no vidro sujo enquanto se enroscava na cortina pesada daquele quarto de hotel. Ponderava os pensamentos e tentava fazer de todas aquelas passagens algo um pouco mais racional. Precisava separar sentimento e razão antes que enlouquecesse.

Olhava para baixo como quem pede ajuda. Sabe-se lá o que se passava na cabeça dela naquele momento. Quem arriscaria dizer que ela não poderia se jogar? Era um modo simples de acabar com tanta angústia e tantas ideias que insistiam em perturbá-la.

Ela não tinha certeza de há quanto estava ali naquele estado inerte. Era um momento dela com ela mesma e ela tinha medo de rompê-lo. Tão assustador e, ao mesmo tempo, tão tranquilizante. Sentia apenas os minutos se arrastando, o silêncio cortante e o mundo se movendo lentamente do outro lado do vidro. Longe, em um universo quase paralelo.

Ela estava vivendo em seu mundo. Cuidava de si sem perceber. Recarregava as energias e colocava a alma em ordem. Tinha acabado de descobrir o remédio para suas inquetações e nem se dera conta disso.

sábado, 23 de outubro de 2010

I should've known

Talvez eu não tivesse motivos tangíveis para me decepcionar, mas eu tinha alguns um pouco mais profundos do que a maioria das pessoas seria capaz de entender. Não esperava que fosse acontecer dessa forma. Eu não esperava mesmo que ele fosse assim. Toda a imagem e todas as opiniões que eu tinha dele e, sobre ele, desapareceram como em um passe de mágica. De alguém especial e diferente dos outros, passou a ser tão comum quanto qualquer um outro. A aura mágica que o envolvia se dissolveu. O brilho que eu enxergava naqueles olhos negros se apagou e o fogo que o sorriso dele despertava em mim, milagrosamente, congelou. O príncipe encantado passou a ser o lobo mau do meu conto de fadas. E é ai, ai que está a minha decepção: esse tal príncipe nunca existiu. Fui eu, somente eu quem transformou um garoto como outro qualquer em aquele sem muita explicação. Idealizei um alguém perfeito, um alguém invencível, indestrutível e livre de qualquer defeito. Coloquei nele uma máscara e esqueci de tirar. É duro admitir, mas aquele ser imaginado me agradava, talvez mais do que o verdadeiro que eu mal conhecia....

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Me olha

Hoje ele não me viu! Quer dizer, ele me viu, mas não me olhou. Na verdade eu acho que ele até olhou, mas tenho certeza que não conseguiu enxergar. Ele nunca enxerga! Ele vê, ele olha, mas não enxerga. Não consegue perceber o que é tão obviamente claro. Nem que eu apareça em um carro alegórico, com uma melancia na cabeça, ele vai enxergar. A atitude vai ser a mesma: vai abrir aquele sorriso largo, me colocar em seu abraço, dizer que está com saudade e pronto. Acabou. Ele simplesmente não consegue separar a verdade - a minha verdade - das brincadeiras - nossas brincadeiras. Tenho para mim que isso acontece porque eu não sou a verdade dele. Na verdade, eu nem sei o que eu sou para ele. Só sei que ele me vê como vê a tantas outras enquanto eu queria que ele me enxergasse como a única.

Com você
Só resta sonhar
Em te ter...
(Só resta sonhar - Carol Cabrino)

domingo, 17 de outubro de 2010

Você pode?

Você pode sentir falta do que você nunca teve? Falta daquele beijo apaixonado, daquele carinho especial, daquele olhar que faz você ter certeza que o mundo parou de girar e só restam vocês dois ali. Você pode desejar repetir aquela cena que nunca viveu? Desejar aquela cena que sua mente criou e repassou uma centena de vezes. Desejar estar sozinha com ele naquele quarto e amá-lo intensamente como se não fosse haver um amanhã. Você pode lutar por algo que não faz sentido? Não tem sentido se o objeto de tanta luta não faz questão dessa briga. Sentido algum em querer... Você pode desistir dos seus sonhos fácil assim? Eu não!

There will never come a day,
you'll ever hear me say that I want,
and need to be without you.
(Never felt this way - Brian McKnight)


sábado, 9 de outubro de 2010

Alérgico ao amor

As fotos já foram tiradas do mural e agora são só pedaços de papel espalhados pelo chão do quarto. Iluminadas pela fraca luz que vem da janela elas não são nada além de meras lembranças que, por mais que eu tente, não consigo apagar. Um dia elas foram sorrisos, beijos, abraços, corações unidos por um mesmo sentimento. Hoje, não passam de um borrão disforme de tudo aquilo que quiseram ser. Sentada ali, encostada à parede gelada com os olhos inchados eu tento entender o que houve. Tento traduzir para o meu coração o que ele se recusa a entender, mas falho. Falho de novo como eu sempre falhei. Não correr riscos, era só isso que eu queria. Não me machucar também era uma condição. Mas de que adiantou tanto cuidado se no fim foi exatamente isso o que consegui? Me protegi tanto de você que acabei esquecendo de me proteger de mim. Alimentei sozinha esse sentimento que nasceu assim, com essas fotos que eu não quero mais ver. E enquanto eu choro aqui, você está longe. Tão longe que já não posso pedir para voltar atrás. Longe o bastante para não ouvir enquanto eu solto o grito que deixei preso na garganta por tanto tempo: eu sempre amei você!

Mientras avanza el dolor un kilometro más
Yo me quedo y tu te vas
(Alérgico - Anahí)

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O que falta?

O que eu sei é que falta. Falta alguma coisa para preencher o espaço que me foi designado como coração. Falta aquele olhar diferente e acolhedor, aquela voz suave e compreensiva, aquele toque quente e macio. Falta uma coisa estranha, uma sensação. Falta um pedaço, uma parte, um detalhe. Acho que falta um dia ensolarado e uma noite com aquele chuvinha gostosa. Falta um pouco de incentivo e muito de coragem. Falta tato, olfato e paladar. Não tem música, não tem som, não tem cor. Não tem chão, parede, janela, porta, sustentação. Falta tanto e eu nem sei exatamente o que falta. Falta tudo e absolutamente nada. Até eu falto a mim mesma. Não me respondo, não me correspondo e sequer me conheço. Falta atenção e audição para os meus gritos e para os meus desejos. Me falta sentir falta de alguém. Falta sentir o passado e ter medo do futuro. Falta mesmo parar de sentir falta!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Sexo

Fazer sexo não é lá tão complicado. Duas pessoas, dois corpos, uma vontade e pronto. Simples, rápido e quase indolor na maior parte do tempo. Acontece por impulso, porque o organismo pede e não dá muito para controlar a vontade. Ela aparece quando você menos espera e, muitas vezes, em hora, lugar e com pessoa errada. Mas, levado pelo desejo, a gente acaba se entregando sem pensar. Deixa o momento e a intensidade do físico rolarem e aproveita. Ou nem tanto. E então aqueles minutos, horas terminam e ai? Você vai para um lado e ele para o outro e o que fica?

Posso ser antiquada, romântica demais ou qualquer outro adjetivo nessa linha, mas não vejo função nisso. Sexo por sexo, por satisfação e por puro prazer não me atrai. Tenho plena convicção que valho muito mais que meia hora de gemidos e que sou muito mais do que um corpo atraente. Possuo cérebro, sabe? Gosto de conversa, preliminares e lentidão. Descobrir cada gosto, cada toque, cada preferência aos poucos, em doses homeopáticas. Adoro o mistério e aquele friozinho na barriga. Sou fã número um do fator amor ou pelo menos do fator paixão antes de ir para cama com o primeiro par de calças mais ajeitadinho que passar.

Confesso que não fiz as coisas direito quando deveria e, se pudesse voltar no tempo, definitivamente corrigiria o maior dos meus erros. Não morro de arrependimento e não, não foi tão desastroso assim. Mas para quem já tinha esperado tanto alguns meses ou anos a mais não ia ser difícil. Concordo que esperar pelo príncipe encantado não faz sentido, porém esperar aquele que vai te enxergar muito além de um corpo, com certeza, faz toda diferença.


"We got the afternoon
You got this room for two
One thing I've left to do
Discover me
Discovering you"
(Your body is a wonderland - John Mayer)

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Ela

Nem meio feia, nem meio bonita. Normal. Do tipo básico que se encaixa no estilo filhinha da mamãe, mocinha comportada na frente da sogra ou garota porra louca que solta as feras na madrugada. Apaixonada por futebol que fala palavrão para o juíz pela Tv agarrada ao belo saquinho de amendoins no domingo a tarde. Jogadora exímia de xadrez capaz de passar horas e horas na mesma partida. Criança que cresceu apaixonada por War e suas indefinições que varavam dias e noites. Falante fluente de espanhol. Dessas que torce o nariz para o inglês, mas acabou de chegar do Canadá. Viciada em livros. Come todos, muitos. Lipector, Abreu, Pessoa, Veríssimo, Sparks. Mais de vinte por ano. Gasta metade do salário com eles e a outra metade em shows. Gosta de música latina, pagode, axé, sertanejo, happy rock. Ouve Hóri, Cine, RBD, Restart, Luan Santana, Jeito Moleque e Exaltasamba. Mas ouve também Lulu Santos, John Mayer, Peninha, Caetano, Chico Buarque e Santana. Gosta de sair em turma. De barulho, de festa e de bagunça. Mas passa horas trancada no quarto, sozinha em silêncio. Usa cores chamativas, all star e camiseta. Sobe no salto, veste o top, o make up e vira outra. Grita, esbraveja. Faz cara de brava. Intimida os outros e pensa que manda. Mal sabe que não manda nem nela mesma. É um inteiro composto de metades. Diferente com um pouco do mesmo. Uma pitada dela ao tudo que ela vê, ouve, absorve e vive. Um jeito só dela de ser tudo em uma só.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Nem precisa ter razão

Ainda estou tentando entender o sentido de tudo aquilo, de tudo isto. O que era tão certo, virou incerto num piscar de olhos e agora eu me vejo perdida em um maremoto de sentimentos, pensamentos que não tem pé nem cabeça. Por quê você apareceu naquela quarta-feira? Naquela última quarta-feira naquele bendito show que nem era para termos ido. Insisti tanto, quis tanto e nem sei explicar qual o motivo de tanta questão. Mas tudo bem, você não passou de um garoto bonitinho, mais um garoto bonitinho habitando aquela fila e tornando a nossa espera menos desagradável. Por quê o que era para ter sido só mais um virou O no dia seguinte aparecendo na mesma escola, na mesma festa? A cidade era imensa tinham tantos becos, buracos, bares diferentes que não há uma razão para você ter aparecido no mesmo lugar que eu. Você não devia estar ali. Por quê você me deu ouvido e apareceu no domingo, no último domingo para se despedir de mim? Não fez sentido você se deslocar quarenta minutos e aparecer num lugar que você desconhecia sem ao menos saber se eu estaria lá mesmo. Tudo isso só mostra que não há como entender o que acontece na vida. Não temos noção dos traços que nosso destino desenha, das artimanhas que ele cria. A vida é um quebra cabeça, um jogo de xadrez e nem o melhor dos jogadores é capaz de compreender certas voltas, certos acontecimentos. Tudo isso não foi acaso. Você não apareceu sem motivo. Sua história, minha história, nossa história não aconteceu lá. Ou talvez tenha acontecido. Talvez sua passagem tenha sido essa. Um furacão, uma tempestade de verão para abalar as minhas estruturas e me fazer perceber que tudo por aqui estava errado. Ou talvez não seja nada disso e hoje, amanhã, na próxima esquina a gente se esbarre e tudo acabe se encaixando.

Lost here in this moment
And time keeps slipping by
And if I could have just one wish
I'd have you by my side
(Stay - Miley Cyrus)

sábado, 14 de agosto de 2010

Black Eyed Peas no Brasil

Black Eyed Peas em Toronto, Canadá (Se copiar, credite)

Agora é fato: a turnê "The E.N.D World Tour 2010" do Black Eyed Peas vai passar sim por terras brasileiras. De acordo com o site oficial da banda, os shows acontecerão em nove cidades sendo elas Fortaleza, Recife, Brasília, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Florianópolis e São Paulo entre os dias 15 de outubro e 4 de novembro.

No encerramento na turnê no Estádio do Morumbi em São Paulo, porém, a apresentação vai contar com uma atração especial: David Guetta. Os ingressos para o último concerto da banda no Brasil começam a ser vendidos nesta terça-feira pelo livepass.com.br.

As apresentações fazem parte da turnê do álbum "The E.N.D", que emplacou vários hits e segue em primeiro lugar nos Estados Unidos embalado pelo sucesso de I gotta feeling - música mais vendida entre os single digitais com a marca de seis milhões de downloads.

Em Toronto, no Air Canada Center, pude acompanhar um dos shows da turnê. Tendo visto de pertinho, posso garantir que, quem for as apresentações, não vai se arrepender. Durante quase duas horas os integrantes do BEP mostram porque conquistaram tamanho sucesso e colocam a platéia para cantar e dançar ao som dos novos e, claro, antigos hits.

Abertura do BEP em Toronto, Canadá (Se copiar, credite)

O show começa com "Let's get it started" e culmina em um final apoteótico com "I gotta feeling". Durante o concerto, cada um dos quatro integrantes têm seu momento. Fergie embala a galera com "Big Girls Don't Cry", "Glamorous" e "Fergalicious". Já Will.I.am arrasa em uma performance como Dj.

Fergie arrasa em sua entrada solo durante o show do BEP em Toronto, Canadá (Se copiar, credite)

Muito provavelmente a tour brasileira não vai contar com alguns dos melhores efeitos especiais como o Taboo sobrevoando a galera de moto, mas com certeza o show por aqui será tão magnífico quanto.

A turnê "The E.N.D World Tour 2010" é patrocinada pela Bacardi e já passou pela Europa, Estados Unidos e Canadá.

Confira aqui a lista de locais e aqui para saber como comprar seu ingresso.

Dona Delma who?

Sim, eu admito. Passei os últimos dois dias tentando entender o que, ou melhor, quem era a tal "Dona Delma" que insiste em figurar no ranking mundial dos tópicos mais comentados do twitter. Se você, caro leitor, estava tão perdido (ou seria curioso?) quanto eu, eis a resolução do mistério.

De acordo com o blog vidademeninooblog, "Dona Delma" nada mais é do que uma personagem criada pelo twitter @VouConfessarQue comandado pelo colírio da Capricho Rick Lopes. A postagem teria sido a seguinte: "Enfim, criem várias situações e citem a DONA DELMA em TUDO o que vocês forem falar no Twitter. Dona Delma é uma pessoa imaginária, mas a reação das pessoas quando ver que todo mundo conhece a DONA DELMA menos elas, vai ser de espanto. hahaha. Não conte nosso segredinho pra ninguém! Twittem bastante! Vamos por a DONA DELMA nos Trendig Topics Mundiais! hahahaha." (Sic)

De acordo com a comunidade do @VouConfessarQue no Orkut a intenção era "Levar os Twitters à pensarem sobre o poder da palavra. Uma mentira quando é contada por muita gente, se torna uma verdade. DONA DELMA, que nem mesmo existia, se tornou um personagem no Twitter. Vamos cuidar para que nossas palavras não tenham menos valor que o nosso silêncio".

Pronto. Agora que você já sabe quem é a Dona Delma acha mesmo que a brincadeira ainda tem graça?

sábado, 7 de agosto de 2010

What if ♪

E se você acreditasse de uma vez por todas o que eu digo e me desse uma chance de te provar que posso te fazer feliz? Como será que se desenrolaria nosso filme se eu pudesse finalmente sentir o gosto do seu beijo ou deixar seu cheiro penetrar na minha pele? Não, pra mim não é difícil imaginar o quanto seu toque me descontrolaria e como seria fácil encontrar o paraíso nos seus braços. Me diz, por favor, me diz o que falta pra você perceber que eu te quero, que eu preciso de você. Já não sei mais como agir, o que fazer. Nada te faz entender que cansei de ser só mais uma e quero ser aquela que estará com você do momento que acordar até a hora de ir dormir. E se você tentasse reparar em mim? Nós não podemos definir o futuro agora, mas podemos construí-lo. Não podemos saber o que o amanhã vai trazer, mas podemos brincar de descobrir no hoje. E se você quisesse, qual seria o rumo dessa história?

What if you had me and,
Baby what's the reason we can't fall in love?

Inexplicável

Desde que eu tinha 12 anos o sonho de vida da minha mãe era me enviar para um intercâmbio nos Estados Unidos. Ela passou toda a minha adolescência buzinando no meu ouvido o quanto isso era importante para o meu futuro. Segundo ela o inglês fluente era meio caminho andado para o sucesso profissional. Nada adiantava. Quanto mais ela falava, mais eu queria ficar longe de qualquer coisa que tivesse uma língua diferente da minha.

Os anos passaram e nada me fazia mudar de ideia. Até que, depois de uma desilusão amorosa daquelas, resolvi que precisava passar um tempo longe de tudo e de todos. Queria saber o quanto eu valia e pra quem eu realmente tinha valor. Pois bem a oportunidade surgiu antes do que eu esperava. Minha escola de idiomas abriu inscrições para um intercâmbio de um mês em Toronto, Canadá.

Como eu já sabia que não ia ter problemas em casa, fui logo indo na agência e resolvendo tudo. Foram dois meses preparando cada detalhe. Incluindo nisso tudo um problema com o visto canadense que quase me fez ficar por aqui mesmo. Tudo organizado era hora de partir. No dia 03 de julho sai em direção as férias que eu tanto esperava ao mesmo tempo que tanto temia.

Não podia ter sonhado com uma viagem mais perfeita. Sabe aquele lugar mágico onde tudo, tudo, tudo que há de melhor acontece? Assim foi Toronto pra mim. Fiquei em uma casa linda com uma família super dedicada. Minha mãe era um doce. Me ajudava nos estudos, me enchia de mimos e preparava as comidinhas mais deliciosas que sabia. Meu pai me contava histórias da cidade, conversava comigo sobre política e economia e me levava para passeios incríveis.

A escola era bem típica de seriados americanos. Muita gente bonita de vários países diferentes e pronta para fazer amigos. Aliás eu fiz vários: venezuela, suiça, mexico, polônia, arábia...nunca imaginei conhecer tantas culturas em um só lugar.

Por sinal, as amizades foram uma das bençãos da minha viagem. Tanta gente especial passou por mim nesse um mês e tornou Toronto mais mágico ainda. Como explicar minha irmandade inexplicável com o Fagner? Ou meu instinto protetor com a Livia? Sem eles não teria tido tanta graça. Nem teriam rolado tantas histórias. Ah! se eu pudesse ter congelado o tempo e ter curtido um pouquinho mais cada um desses momentos...

Mal coloquei os pés em casa e já posso dizer com segurança: minha mãe estava certa. Não há nada melhor nessa vida do que intercâmbio, do que aprendizado. Em um mês cresci o que não tinha crescido nos últimos vinte e dois anos. Como diz o ditado: mãe sempre sabe das coisas ;)

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Sino un hasta luego...

Depois de longos meses de espera, chegou a hora tão sonhada. Faltam pouco mais de 24 horas para eu embarcar com destino a Toronto no Canadá para um mês longe de tudo. Família, amigos, trabalho, ele...tudo vai ficar aqui guardadinho para me reencontrar em agosto. Acho que nunca quis tanto uma coisa e nunca esperei tanto quanto essa viagem. Todos os meus maiores sonhos e meus planos daqui pra frente começam exatamente onde ela começa.

Amanhã vou abrir espaço para uma vida nova. Um mês de novas experiências, novos amigos e, porque não, um novo amor. Estou indo de peito aberto, cabeça aberta...mente limpa e coração apertado. Vou sentir falta de tudo que fica, mas quem disse que é ruim sentir saudades?

Enquanto eu escrevo esse texto, espero meus amigos chegarem para a minha reunião de despedida. Bom saber que sou tão importante para algumas pessoas no mundo a ponto de todo mundo vir me ver antes de eu ir. Só espero que esse sentimento não mude na ausência, ao contrário, só cresça...

Quanto ao blog, vou tentar ao máximo postar de lá. Não dá pra ficar longe daqui muito tempo, não consigo. Sei que estou atrasada com os comentários, mas vou responder um a um. De antemão, já agradeço o carinho que vocês têm com este espaço. Obrigada a todos que me seguem e a todo mundo que gosta daqui. Nós vemos em breve!

"Hoy no es un adiós, sino un hasta luego"
(Llévame - Dulce Maria)


segunda-feira, 21 de junho de 2010

I keep beliving

Pensei que dessa vez seria diferente, mas era óbvio que tudo seria igual. Não tenho muito talento para escolher meus amores e muito menos para condicionar meu coração a amar quem me ama. Gosto mesmo daquele que é difícil, praticamente impossível. Insisto tal qual água mole em pedra dura, mas quase nunca atinjo meu objetivo. Eu acerto qualquer coisa em volta, menos o alvo. Conquisto qualquer garoto que eu não queira, mas aquele que eu gostaria de ter comigo nem sequer me nota. Ou pior, me nota tanto que vira meu brother, meu melhor amigo. Ando cansada dessas desilusões, mas no fundo, no fundo, eu devo me divertir sofrendo. Acho que gosto mesmo desse frio na barriga, do nervosismo, do medo, das sensações de montanha russa. Gosto de pisar em falso, do proibido, das descobertas. Gosto mesmo de viver no limite entre a paixão e o desolamento. Ou talvez eu nem goste disso tudo. Talvez eu só seja uma daquelas que ainda acreditam em um final feliz.

"So baby keep my heart
Beat, b-beat, beat, beating"
(Heartbeat - Stereo Skyline)

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Vale a pena ouvir

Fuçar o twitter alheio, às vezes, traz algumas gratas surpresas. Foi o que aconteceu quando eu estava vasculhando o perfil da cantora Carolina Cabrino (a vencedora do Quero Brilhar da Capricho no ano passado). A garota postou um video do youtube de uma dupla incrível.

Julia Sheer e Tyler Ward arrasam nos covers de Taylor Swift e Miley Cyrus, além de apresentarem músicas próprias. Tyler é compositor e, nos vídeos, sempre aparece tocando. Ora ou outra também arrisca dividir os vocais com Julia. Ambos tem uma voz melodiosa, daquelas que a gente poderia ficar ouvindo o dia inteiro.

O canal da dupla no Youtube já teve mais de cem mil acessos e os vídeos bateram a marca das 500 mil exibições. Pra quem gosta de ouvir gente boa cantando bem, vai ai uma ótima dica.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Time to go

Hora de fechar as malas, os olhos. Respirar fundo e dar o próximo passo em frente. Esperei muito por isso. Contei as semanas, os dias, as horas e os minutos e finalmente chegou. Não posso desistir agora depois de tudo. Lutei tanto, chorei tanto. A porta se fecha atrás de mim. Não dá, não devo, não posso olhar para trás agora. Não importa muito o que fica, não deveria importar na verdade. Eu vou voltar, eu sei que vou voltar em menos de um mês, mas é se tudo mudar? E se tudo acontecer como um sonho, mas eu acordar no meio de um pesadelo? Não é hora de pensar nisso! Fecho as portas do carro e dou a partida. Pronto! Um novo caminho começa aqui. Não, agora não é hora para lágrimas. Eles vão sentir minha falta, claro que vão. Mas e se não sentirem? E se descobrirem que eu sou alguém altamente susbstituível? E se nem se derem por minha falta? Limpo os olhos com o dorso da mão e sigo meu caminho. O aeroporto é logo ali. Os pensamentos estão logo aqui e devem ficar. Eles não podem subir comigo naquele avião. Eu não quero mudar meu destino, não agora. Você fica aqui, bem fincado do chão e me espera voltar. Nem tente me atormentar enquanto eu estiver longe. Subo na aeronave com um misto de alegria e vazio. Não, eu tenho que desligar-me desses pensamentos. Tudo vai ficar bem. Minha ausência será apenas para fortalecer laços, não para quebrá-los. É, é isso, pronto! Agora é a minha hora de voar...

quinta-feira, 10 de junho de 2010

TOP Five: Romances na estante

As vésperas do dia dos namorados quando o amor parece encher todos os corações (inclusive o dos solteiros), criei uma lista com os cinco livros recém-lançados que trazem histórias de amor dessas de tirarem o fôlego. Mas não é só de amor "homem e mulher" que essas histórias falam. Elas falam simplesmente de amor nas suas mais diversas formas e do jeito mais puro que pode existir. Afinal de contas, mas do que um dia pra dar e receber presente ou ficar agarradinho, o dia dos namorados é a celebração do amor. Sentimento que deveria ser exaltado todos os dias.

CREPÚSCULO

Essa história com certeza você conhece e, muito provavelmente, já leu e releveu várias vezes, sem contar as outras tantas que deve ter ido assistir no cinema. Mas mesmo que não tenha feito nada disso e, apesar da modinha, conhecer o amor entre o vampiro Edward Cullen e a mocinha Bella Swan vale a pena. Além disso, existe outro amor nessa história que é válido conhecer e entender: o do lobo Jacob. Paixão pura entre melhores amigos que acontece por acaso e deixa todos os envolvidos em uma situação, digamos, um tanto quanto difícil. Se você já passou por isso, com certeza vai se identificar muito. Se ainda não passou, vai suspirar pelas declarações de amor e vai torcer para ter um desses na sua vida.


FEIOS

A série Feios mal chegou ao Brasil e já fez um sucesso estrondoso. O livro, que figurou nos best sellers do The New York Times, traz ao público a história de uma cidade onde todos são feios até completarem 16 anos. Nessa idade passam por uma cirurgia cedida pelo governo que os trasnforma em perfeitos. Somos apresentados então a Tally. A garota está muito perto de realizar a operação e reencontrar o melhor amigo Paris em Nova Perfeição, quando conhece alguém que muda seu destino. Por amizade ela acaba enfrentando inúmeras aventuras e prova o quando ama a nova amiga. No caminho, acaba conhecendo outro tipo de amor. Um amor que vê muito além da beleza. Não vejo a hora da continuação da série. O livro é simplesmente viciante.

MARLEY & EU

Desse você já ouviu falar também. Se foi ver no cinema há chances de você ter saído com os olhos inchados de tanto chorar. Não é muito diferente quando se lê o livro. A história de amor incondicional de um cachorrinho pelos seus donos comove do começo ao fim. Nada no mundo pode se comparar a adoração e a fidelidade de Marley a família que o adotou.


QUERIDO JOHN

Sim eu estou falado do filme que está em cartaz no cinema, você não se enganou. Acontece que a película é baseada na obra homônima de Nicholas Sparks autor dos melhores romances dos últimos tempos. A obra conta a história de John Tyree, jovem soltado que volta para casa durante uma licença e de Savannah Curtis, universitária idealista por quem ele acaba se apaixonado. Durante os próximos sete anos o casal é obrigado a enfrentar a separação devido as constantes e perigosas missões do rapaz . Mas apesar da distância, os dois continuam a manter a chama do amor viva através de cartas que insistem em trocar constantemente. Querido John é outro daqueles livros que vai te fazer chorar por mais insensível que você venha a ser.

A ÚLTIMA MÚSICA

Ok, este também esteve em cartaz no cinema nos últimos meses e, assim como Querido John, foi baseado na obra de Nicholas Sparks (viu porque eu disse que ele é um dos melhores romancistas atuais?). Ronnie, protagonista do livro, vai passar as férias com seu pai e seu irmão em uma pequena praia da Carolina do Norte contra a sua vontade. Mas lá acaba descobrindo o primeiro amor, desses arrebatadores mesmo, quando conhece o jovem Will. Porém, muito mais do que esse romance adolescente, as páginas nos convidam a acompanhar o amor da mocinha pelo pai. O ódio que trazia dele nos últimos três anos vai se transformando em um amor puro, um amor abençoado. Fica a dica para ler esse livro com um lencinho ao lado. Você vai se apaixonar pelas declarações de Will a Ronnie e se encantar com a veracidade do amor familiar que existe entre ela e seu pai. Prepare-se.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Culpa

Perdi minha habilidade de sofrer. Não consigo mais derramar nenhuma lágrima que não seja de alegria. Não consigo mais fechar a cara por nada que não valha realmente a pena. Acho que a culpa foi dele. Se ele não tivesse aparecido talvez eu nunca tivesse aprendido a me amar acima de tudo e, principalmente, a dar valor a quem merece. Ele me abriu os olhos para enxergar além de mim. Me fez ver lá dentro da minha alma. Descobri depois dele que eu posso e devo achar felicidade nas pequenas e simples coisas da vida. Desliguei-me, graças a ele, de todas as mágoas e aprendi a perdoar. Foi pela falta de amor dele que eu descobri o que era amar.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Don't call my name, Alejandro

A música chiclete com certeza você já deve ter ouvido por ai. Na rádio, na balada ou na internet "Alejandro", novo single de Lady Gaga, já anda bem estourado desde 20 de abril quando foi lançado. Porém, mas impressionante que a música é o clipe divulgado nesta terça-feira.

Capa do single "Alejandro" com o modelo André Ziehe

Depois dos nove minutos de "Telephone" com a inspiração no longa Kill Biil, Gaga traz outro curta metragem no lugar de video clipe. Com oito minutos e 43 segundos , "Alejandro" foi postado no canal oficial da cantora no Youtube logo no ínicio da tarde e deu o que falar. Os usuários do twitter, por exemplo, passaram o resto do dia comentando as cenas no sense e tentando compreender a mensagem do vídeo. Durante todo o dia, inclusive, "Clipe Alejandro" permaneceu nos Trendig Topics Brasil (lista dos assuntos mais comentados no microblog).


clipe "Alejandro" de Lady Gaga

Em primeiro de junho a cantora já havia dado uma prévia para os fãs do que viria soltando um teaser do clipe que recebeu mais de 500 mil acessos. Mas nem de longe dava para imaginar o que Gaga estava aprontando.

Dirigido por Steven Klein, diretor preferido de Madonna, o vídeo traz a loira cercada por militares que ora aparecem de meia arrastão e salto alto. Já Gaga vem trajando um hábito vermelho e chega até a engolir um terço. "Alejandro" conta, ainda, com a participação do modelo brasileiro Evandro Soldati, namorado de Yasmin Brunet.

Esse será o terceiro single lançado da cantora com o disco "The Fame Monster".

domingo, 30 de maio de 2010

Novidades

Galera, quem me acompanha há algum tempo percebeu a minha ausência nas postagens de textos. Com o trabalho e algumas coisas paralelas a minha inspiração simplesmente me deu um perdido. Quando ela surgia, a preguiça de vir até aqui e postar me dominava mais do que a vontade de escrever.

Tudo isso aconteceu depois do término do Tudo de Blog em feveiro. Eu tinha entrado lá justamente para me "obrigar" a atualizar esse espaço sempre, mas sem as atribuições das pautas acabei voltando a "largar" o blog em segundo plano.

Mas a partir de hoje isso volta a mudar. Para quem acompanhava o TDB, algumas das ex-colaboradoras se juntaram para criar a revista online No Divã, um espaço com informação e entretenimento para todas as idades e todos os públicos. Eu sou uma das que abraçou a ideia e que quer muito ver esse site bombando.

Portanto, além dos textos pessoais, este blog passa a abrigar agora textos com novidades da web, da música, da moda e afins. A todos que já me seguem e me acompanham espero que as mudanças agradem vocês. Aos novos leitores esporádicos ou fixos, que o blog chame a atenção e os redirecione para a leitura de outros blogs e, claro, da nossa revista.

Conto com o apoio de vocês. Juntos, sempre! ♥

O novo Justin Bieber [?]

A mesma carinha de criança e o mesmo estilo que transformaram Justin Bieber em um dos astros teens mais populares da atualidade prometem fazer do norte-americano Greyson Chance, de apenas 12 anos, a próxima estrela da música.

Não sabe de quem estou falando? Calma, eu explico. Greyson Chance apresentou uma versão de Paparazzi em um recital de seu colégio e postou o video no youtube. Pronto! a gravação bombou tanto na web que até a cantora Lady Gaga elogiou o garoto.

Depois disso, Greyson foi convidado para aparecer no talkshow da comediante Ellen DeGeneres que resolveu abrir uma gravadora e contratá-lo: a eleven eleven. O menino será o primeiro artista contratado. Ainda no programa, ele recebeu uma ligação surpresa de Gaga que lhe deu algumas dicas de como trilhar o sucesso.

E vocês o que acham?



quinta-feira, 20 de maio de 2010

Meu mundo essa noite é você ♪

Essa noite e todos os dias da minha vida desde que meus olhos encontraram os seus. Foi acaso, foi peça do destino colocarnos frente a frente. Foi engraçado o modo como eu me apaixonei. Um amor desses platônicos que, não espera ou sequer ousa esperar ser correspondido. Sabe que dificilmente terá resposta. Mas fazer o que se é no seu sorriso que eu encontro a paz? Fazer o que se é na sua voz que eu reconheço a minha alegria? Fazer o que se as suas palavras, ainda que escassas, são a razão da minha felicidade? Suas doces frases agem sobre mim como mais nada ou niguém é capaz. Meu mundo agora é seu mundo e eu queria que Apenas uma vez você pudesse perceber o tamanho e a intensidade do que eu sinto por você. Você Mashcomigo e já não dá mais para esconder. Talvez o único que ainda não tenha percebido é você. Do seu lado sinto que o que passou, passou e agora eu só dependo de você para ser feliz. Ah, como eu queria que o alvo de tanto carinho me desse a mão e me deixasse dizer que quando eu vi você a vida ganhou mais sentido. Vem então, sinta essa noite comigo e me deixa colorir seu mundo como você coloriu o meu. Vem comigo agora, deixa tudo pra trás. Vem comigo...sem hora pra acordar!

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Al revés

Você me vira a cabeça, me tira do sério. Eu me rendo fácil demais aos seus mistérios, eu sei. Mas eu não tenho muito o que fazer. Você é assim tão fascinante e tão inebriante que fica difícil resistir. Não consigo olhar em seus olhos sem me sentir tonta e tentada a mergulhar de cabeça neles. Um lago negro, denso, da onde eu não consigo me desprender. Ou talvez eu não queira mesmo sair de lá. Não consigo encarar seus lábios sem sentir vontade de tomá-los, sugá-los até a última gota junto aos meus e sentir seu sabor doce, ácido, essa mistura de temperos que você traz. Não consigo ficar perto de você sem sentir o desejo de te tocar mais uma vez e sentir de novo o calor do seu corpo junto ao meu. Na verdade, acho que não consigo pensar em nada que diga respeito a você sem querer isso para mim. Seu jeito, seus gestos, seu sorriso...cada pedaço de você me faz estremecer, me faz querer tê-lo de novo. Me faz querer roubá-lo para mim. Acho que você se tornou meu vício. Sinto que preciso de você para continuar respirando. Como uma droga letal, você já corre pelo meu sangue e é impossível dissociar. Talvez não haja mais um eu sem um você. Quanta loucura ou, se preferir, podemos chamar de paixão. Um misto de sentimentos e desejo incontrolável. Uma vontade inexplicável de você.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

MASH comigo ♪

Na foto da esquerda pra direita Victor, Gu Cardim, Uriel, Victor, Gu Cardim, Mau, Guh e Guh de novo rs Faltou o Gudino. Só hoje me dei conta que não tirei foto com ele =/

Ritmo envolvente, carisma, simpatia e letras que grudam na cabeça. Essa é a fórmula da Mash, banda do ABC Paulista que vem conquistando uma legião de fãs e promete ser a revelação de 2010. Formada por Victor Olivatti (vocal), Gustavo Cardim (baixo), Maurício Trucolo (guitarra) Gudino (bateria) e Uriel (guitarra), a banda está na estrada a mais tempo do que parece. São mais de cinco anos tentando um espaço na cena musical, porém apenas sete meses com a atual formação, o que deu um novo gás e provocou uma repaginação completa no estilo da banda.

Eu conheci a Mash por acaso. Já tinha ouvido as antigas músicas e, confesso, não achava nada legal. Mas no Yes!Rock que rolou em dezembro acabei parando para ouvir e fiquei encantada. Despois da apresentação rolou um camarim com os meninos e, pronto, tinha sido conquistada de vez. Mal coloquei o pé em casa, já fiz questão de baixar o EP da banda (Aliás aconselho vocês, leitores, a baixarem também http://www.4shared.com/file/142584077/eeb1e5c1/MASH_-_EP2009.html) e, desde então, não consegui mais parar de ouvir. Virei fã mesmo, de carteirinha.

Vou a todos os shows que posso e cada vez mais eles ganham espaço não só no meu Ipod como na minha vida. Voltar de uma das apresentações deles traz uma sensação de felicidade, de alma lavada meio díficil de explicar. Sem contar que eles respondem todas as fãs no twitter, são um amor e atendem todo mundo depois dos shows. Impossível não se apaixonar!

Eu já estou mais do que viciada nesses cinco garotos. Em meio a tantas bandas coloridas, emos e afins fazendo sucesso vale a pena dar uma chance a MASH. Garanto que você não vai se arrepender. Esses meninos merecem chegar lá!

domingo, 4 de abril de 2010

Not Again

Ela perdeu o chão. Esperava por aquela frase já fazia algum tempo, mas não queria acreditar que ela chegaria tão rápido e daquela forma. Foi como um tiro a queima roupa, sem o menor pudor ou ressentimento. Não houve o menor cuidado com o que ela podia sentir. Foi assim rápido, fácil e indolor. A surpresa e o choro que fluía naturalmente foi engulido e perante ele manteve a pose. Desejou felicidades e ainda afirmou que era o certo. Ele sorriu e sem se importar com mais nada foi embora. Virou as costas como se nada tivesse acontecido e saiu tão rápido quanto tinha entrado. Ela continuou parada ali incrédula, tentando digerir o que tinha sido dito. Chorava com uma compulsão impiedosa e perguntava-se em silêncio por que com ela e por que outra vez com ela. Mais uma desilusão amorosa contabilizada para o caderno. Mais uma vez o coração em cacos. Mais uma vez o mesmo filme. Mas decidiu...aquela seria a última vez!

terça-feira, 23 de março de 2010

Questão de verbo

Criticar é o passatempo preferido de dez em cada dez seres humanos. É impressionante, mas ninguém está satisfeito com nada que o outro faça ou apresente. Há sempre um defeitinho aqui ou um ponto ali que poderia ser melhor, que poderia ser mexido. E nem me venha com histórias de críticas construtivas. Quando a gente quer que alguém ou algo cresça, mude, aprenda, exaltamos os pontos fortes que devem ser mantidos e, como quem não quer nada, sugerimos que pontos fracos sejam eliminados ou consertados da melhor maneira possível. O que quero dizer é simples: existe uma enorme diferença entre o criticar e o apontar, sugerir que não pode ser ignorada. Portanto, da próxima vez que for criticar alguém, repense! O jeito e o verbo certo faz toda a diferença.

*Post para Tiêgo Alencar, grande fã do antigo Tudo de Blog. Se você também era fã do TDB, aguarde novidades no blog A Pseudociência.

No alvo

O amor é um jogo. Um jogo muito perigoso. É fácil se deslumbrar com tal sentimento. Fácil se perder nas promessas e nas palavras vazias de quem não o compreende. Em um jogo tão angular, tão singular, há de se ser perspicaz para fugir das armadilhas e arapucas que podem te fazer cair a qualquer segundo. Como no xadrez tudo precisa ser milimetricamente calculado e a próxima jogada do adversário precisa ser antecipada para evitar a derrota. O amor é um jogo ardiloso. Tanto que a presa que mais gosta é seu principal arquiteto. Quem pensa que sabe brincar com esse sentimento e está salvo do seu ataque, nem imagina que é o alvo certeiro dessa flecha mortal.

domingo, 21 de março de 2010

Vou-me embora...

Manuel Bandeira, em sua beleza poética, disse que iria para Pasárgada. Ela, em sua falta de poesia, disse mesmo que ia para o Alasca. Arrumou as malas e colocou-se na estrada. Caminhou lentamente por entre ruas e avenidas. Conheceu outros rostos, outros hábitos e outras culturas. Se jogou contra o novo mundo de possibilidades que se abriam a sua frente. Entrou de cabeça em jogos de amores, em amizades passageiras e em cenas de um filme repetido. Era só uma fantasia de que as coisas podiam mudar se estivesse longe. Tudo era igual, mas ela não percebia. O simples fato de estar em outro universo dava a ela uma injeção de ânimo e de coragem. Precisou sair de si e ir para bem longe para voltar a si e entender que não há lugar melhor no mundo do que o dela.

Inerte

Quase como um objeto inanimado, sem a menor reação a qualquer tipo de sentimento. Amor, carinho, paixão, raiva, ciúmes, medo, não sentia absolutamente nada! Perdera a adrenalina do sangue correndo pelas veias e a necessidade constante das mudanças. Esquecera o poder de um abraço e a sinapse despertada por um toque. A dor tinha sido tanta que não queria mais lembrar de nada que pudesse fazê-la voltar. Deixou-se intimidar pela inércia. Um lugar calmo e tranquilo onde podia se manter apática ante qualquer envolvimento mais profundo. Escolheu viver assim, escondida de tudo e, sobretudo, dela mesma.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Dezdotrêsdedoismiledez!

Não faz muito tempo aquela garotinha cheia de sonhos concluiu o ensino médio e saiu correndo para conhecer um mundo novo. Era fevereiro de 2006 e ela estava a poucos metros da etapa mais importante da sua vida. Ah, se aquela padaria falasse! Serviu de cenário para um encontro memorável. Vinte, trinta calouros de jornalismo se apinhavam na calçada tentando se conhecer, ou melhor, se reconhecer. Foi ali nos primeiros cinco minutos em frente a Metodista que ela se uniu a um grupo de outras seis garotas. Foram juntas ao trote e se divertiram mesmo sob o sol de rachar e o calor insuportável. Nem a tinta coçando e endurecendo pelo corpo tirava o bom humor: eram bixetes!
~♥~
Passado o momento de festa e de se enturmar, o primeiro ano começou violento. Uma batelada de matérias, textos, provas, trabalhos e uma amizade se fortalecendo dia após dias, bem devagarzinho. Num piscar de olhos já eram todas veteranas. Segundo ano de faculdade, mas nada de se acostumarem a intensidade e a rapidez com que tudo acontecia. Na verdade, a empolgação de curtir cada segundo era tanta que nem tinha mesmo como ver com calma tudo que acontecia. As seis meninas só se lembram que, de algum modo, viraram quatro. Mas faltava gente para preencher os grupos gigantes que a turma enorme obrigava-as a ter. Então chegaram novos elementos: três meninos. Ou teriam sido mais?
~♥~
Como em um Big Brother várias pessoas entravam e saiam daquele grupo. As quatro meninas resistiam a tudo e, os recém-chegados, as acompanhavam bravamente. O terceiro ano veio e as brigas triplicaram. Discussões no msn, falta de paciência, bate-boca ao vivo e a cores no meio da sala, na frente do professor. Afastamentos. Pega pra capar daqueles pesados mesmo. Vontade de jogar tudo para o alto, mandar todo mundo plantar batatas. Momentos de dúvidas, de porque eles tinham se escolhido e se definido como grupo mesmo. Onde estavam as afinidades? Onde estava a amizade do primeiro dia, do primeiro ano?

~♥~
Ainda bem que brigas entre amigos só servem para fortalecer a amizade. Alguém ainda tinha dúvidas de que era isso que ia acontecer com eles? Chegaram ao quarto ano mais unidos do que nunca. Tudo bem, ainda sentiram algumas perdas no trajeto. Se fortaleceram em cinco. Cinco membros inquebráveis e com uma amizade que utrapassou os limites da faculdade. Eles não eram mais um grupo de trabalhos, eram amigos de verdade. A garotinha, aquela lá de 2006, saiu da Metodista em 2009. Ontem, passou pela cerimônia de colação de grau e enche a boca para dizer agora que é formada. Integrante da turma de jornalismo Professor Doutor Paulo Ramos!
~♥~
Ontem, pela primeira vez em quatro anos, ela chorou. Mas não foi um choro de despedida, foi um choro de certeza. Lágrimas de alegria e de agradecimento pelos melhores quatro anos que ela podia ter sonhado. Lágrimas pelos melhores quatro amigos que ela podia ter imaginado. Ela abraçava os amigos vestidos como ela com a beca quente e a faixa azul de comunicação e não acreditava que eles tinham crescido. Estavam ali diplomados!
~♥~
Aquela garotinha era eu. A mulher de hoje, graças a eles, sou eu. Bruna, Klaus, Leandro e Vivian, ou melhor, Bru, Klauszinho, Leeee e Vivis: MUITO OBRIGADA! Muito obrigada pelos quatro anos mais intensos, mais loucos, mais insanos, mais estressantes, mais perfeitos, mais engraçados, mais divertidos da minha vida! E, com certeza, esse é só o começo da nossa história. Eu amo vocês!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Estranha confusão

Há dentro de mim um furacão. Uma mistura de sentimentos distintos prestes a explodir. Não há como saber de onde vem e, muito menos, para onde vai. É só alguma coisa meio inexplicável. Ou nem tanto assim. Na verdade é só uma coisa bem humana mesmo e conhecida por todos: medo. Sensação capciosa que coloca meus nervos a flor da pele e me desafia a todo momento incansalvemente. Quer me fazer cair, pedir para sair e desistir de tudo. Para que seguir em frente? Há perigos aqui e ali, por que enfrentá-los? Sussurra sorrateiro. Me desafia a dar o próximo passo. Ora consegue me conter. Mas em outras tantas não consegue me parar. E ai me vejo perdida nessa confusão. Tiro a pedra do meio do caminho ou deixo o medo me vencer e volto ao meu ponto de partida? Pulo, enfrento o obstáculo ou deixo o medo me lembrar que já cai ali e, por isso, é melhor não tentar de novo? Insistente esse sentimento. Tanto que me faz aprender com ele. Quem tanto insiste uma hora há de conseguir.

---
Leitores amados, estou com os comentários atrasados e bem ausente do blog. O fim do TDB e algumas outras coisas pelo meio do caminho me deixaram sem vontade e sem tempo de vir aqui. Mas eu adoro escrever e eu não vou desistir, nem abrir mão desse meu cantinho. Portanto, vou tirar o final de semana para arrumar tudo por aqui, responder os comentários atrasados e, quem sabe, dar uma carinha nova para o blog a fim de começarmos juntos uma nova jornada.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Todo carnaval tem seu fim

Era uma terça-feira quando aquele e-mail chegou. Despois de meses catastróficos e uma quase desistência da profissão clicar no abrir poderia me levar a extrema felicidade ou a certeza que eu precisava para abandonar o jornalismo. Passei o mouse em cima da mensagem que trazia no assunto Tudo de Blog 2009. Eu tremia tanto e meu coração pulsava tão forte que eu sentia que ia morrer se a notícia ali fosse ruim.

Depois de alguns minutos resolvi encarar. Os dois cliques e a mensagem encheu minha tela: Bem vinda ao time de blogueiras da revista Capricho. Saí gritando e pulando pela casa quase como se tivesse ganho na megasena. Corri para contar para minha mãe, para as minhas amigas e para todos aqueles que tinham acompanhado o meu mártirio durante as semanas de espera entre a inscrição do blog e a seleção.

Um ano se passou. Nesses doze meses de tudodebloguete eu conheci outras 100 meninas maravilhosas com textos sensacionais capazes de arrepiar, levar as lágrimas ou fazer a gente morrer de rir. Fiz amizades que foram além das telas do computador e compartilhei histórias com muitas delas. E o mais importante, eu aprendi.

Aprendi o jogo de cintura. Aprendi a escrever textos sobre assuntos que eu não dominava ou que eu achava infantil demais. Aprendi que eu era melhor quando eu deixava meus sentimentos aflorarem e não quando eu tentava florear as palavras. Aprendi que existiam textos melhores que os meus e aprendi a respeitar as diferenças.

Hoje, a magia, se assim podemos chamar, chegou ao fim. Mas a experiência que isso me trouxe nunca mais irá ser arrancada. Seja por marketing editorial ou , pura e simplesmente porque a revista precisava mudar o TDB chegou ao fim. Não terão mais pautas, divãs king size na comunidade do orkut ou telas gigantes nos chats do msn. Acabaram os corações acelerados a espera da publicação na próxima quinzena.

E antes que as luzes se apaguem e a música chegue ao fim eu só queria dizer: MUITO OBRIGADA!



domingo, 7 de fevereiro de 2010

Que no meu peito eu vou te guardar ♪

Eu te conhecia a menos de 24 horas quando tudo aconteceu. Intenso, incontrolável e inexplicável. Não existem adjetivos melhores para registrar o que se passou entre a gente. Mas assim como começou, se foi. Não por completo, é claro. Sua imagem, suas palavras, seu gosto ainda estão impregnados em mim. Na minha pele, nos meus cabelos, nos meus lábios mora um pedaço seu. No coração vive uma grande chama que, irritantemente, insiste em queimar por você. O tempo, a distância, a vida, tudo se uniu para nos separar. Hoje, eu vivo aqui e você ai, longe. Outros caminhos e um futuro brilhante. Pessoas tão ou mais apaixonantes passam pelas nossas vidas todos os dias. Não parei para te esperar voltar e tão pouco você parou por mim. Mas será que isso realmente importa? Não me interessa quantas bocas e quantos corpos você beijou e tocou nos últimos meses, nesse intervalo de tempo. Também não me incomodo se quiser fazer isso na minha frente para dizer que pode mais, que não se abalou com tudo que vivemos. Você nunca consiguirá mentir pra mim. Há escondido no seu olhar um certo brilho que delata que você também sentiu as mesmas emoções e que um pedaço meu ainda vive em você. Não fui e não serei tão especial quanto você foi pra mim, mas fui diferente a ponto de manter um lugar intacto na sua memória. Eu não sou a mulher da sua vida e nem você o homem da minha e nem temos a pretensão de que assim seja. Mas estamos ligados e isso, você não pode negar.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

But at least for now...

Vivo de sonhos. De muitos, por sinal. Alguns que talvez eu abandone pelo meio do caminho, mas um que me acompanha desde que eu era criança e pelo qual eu daria a vida. Um pelo qual eu seria capaz de largar tudo e todos. Família, amigos e até o amor da minha vida, se fosse preciso. Sempre quis ser famosa e reconhecida trabalhando naquilo que eu mais amo: o jornalismo. Mas não é só isso. Quero trabalhar como correspondente internacional. Ou seja, montar a minha vida em outro país. Venho me preparando para isso desde que me entendo por gente e tanto investimento nesse projeto, me dá cada vez mais certeza de que eu não vou abandoná-lo por nada. Mas como a vida é uma caixinha de surpresas, se no caminho aparecer o amor da minha vida, eu posso balançar. Parar pra pensar se todo esforço vale a pena a ponto de deixá-lo ficar. E descobrir que, se ele for mesmo O cara, posso ir tranquila porque ele estará me esperando de braços abertos quando eu voltar.

"It's so hard to say
But I gotta do what's best for me
You'll be okay..."
(Gotta go my own way - HSM2)

*Pauta para o site do TDB: Você abriria mão de um projeto de vida para viver uma história de amor?

sábado, 23 de janeiro de 2010

Indescritível

Pedem para que eu me descreva, mas eu cheguei a conclusão de que não sei quem sou. No meu íntimo sou tão intrigante a mim mesma quanto aos olhos alheios. Pareço de tudo um pouco. No fundo, acho bem que sou um personagem de mim, quase uma caricatura do que eu gostaria de ser. Interpreto diariamente o papel que me foi dado naquele dia. Ora sou a santa ora sou a louca. Ora a mocinha ora a vilã. Que misto indecifrável de maneiras, gostos e sentimentos eu sou! Por mais que me invada e me vire do avesso, nunca saberei ao certo quem é essa que vejo pelo reflexo do espelho. Sei apenas que sou inconstante. Mudo com as horas, com os dias,com as estações, com o vento. Sou tempestade e água calma. Sou um enigma adorável. Um quebra-cabeças fascinante.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Want your bad romance...

E também as suas roupas estilosas (com direito a plástico bolha e sapos de pelúcia) , a maquiagem exagerada e o cabelo loiro platinum que já virou marca. Quero aproveitar sua cara de pau e a sua atitute tô-nem-ai! Arrasar no mundinho cool das celebridades de Holywood e virar alvo dos paparazzi. Estampar uma nova manchete a cada dia. Ser modelo pra muita gente e motivo de ódio para tantas outras. Fazer um dueto estelar com a Beyoncé. Frenquentar as premiações e sair de lá com várias estatuetas. Ia manter a poker face e representar muito bem com a minha mente reinando naquele corpitcho. Sim, eu seria, com muita honra, avatar da Lady Gaga.

* Post para o site do TDB: Se você pudesse ser o avatar de alguém, de quem você seria?

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Incompatível

Me desculpe se eu não posso ser boa o bastante pra você. Desculpe se eu não posso ser do tipo de mulher que precisa de colo o tempo todo. Acho que tenho personalidade demais e independência demais pra você. Isso te assusta não é mesmo? Calma, não precisa ter medo de me dizer a verdade. Não precisa sentir vergonha de dizer que estremece na minha frente e não sabe como agir. Só porque você consegue ser o garanhão com as outras não tem que ser comigo também. Aliás eu nem gosto de você assim. Prefiro aquele você que só eu conheço e que talvez você nem lembre que tem.

Sabe aquele você que se esconde por trás de uma máscara? Aquele você que apareceu pra mim em uma madrugada enquanto eu fingia que dormia? É desse, dessa parte de você que eu mais gosto. Mas, voltando as desculpas, me perdoe se eu não posso me calar diante das suas fraquezas e do que eu vejo de errado. Desculpa se eu preciso ser sincera o tempo todo e não consigo esconder o que sinto. Desculpa por eu ser assim tão verdadeira, tão eu mesma e fazer apenas o que eu quero, na hora que eu quero e do jeito que eu acho certo.

Será que é tudo isso que me afasta de você? Eu não consigo mesmo entender o que eu tenho de tão errado, fora essa lista imensa que acabei de descrever. Será que você pensa que sou melhor que você? Ou pior, será que você pensa que é melhor que eu? Que jogo de pique-esconde é esse que estamos brincando, enrolados há meses e anos? Você ainda não percebeu que o tempo passa, eu estou passando e você está se perdendo do meu mundo? Você está ficando para trás, cada vez mais apagado e separado daquilo que eu quero pra mim. Você quer mesmo deixar tudo desaparecer assim? Se quiser, pode me avisar. Eu não vou chorar por você e nem vou gritar, pedir pra você ficar. É a vida não é mesmo? Posso continuar sendo assim sem você.

Enfim, me desculpa se eu não pude ser perfeita e se eu não sou passível do seu amor ou da sua paixão ou de qualquer sentimento seu. Não quero, não vou e não posso mudar pra te ter. Eu me amo antes de amar você. Me conheço antes de te conhecer e não posso trocar tudo isso pelo descompasso do seu coração e pela nebulosidade da sua mente. É isso aí. Um dia a gente se esbarra pela vida, numa esquina qualquer nesta ou em outra cidade. Pode ser amanhã ou daqui alguns anos, quem sabe? Mas antes de ir embora, me deixa pedir uma coisa? Mesmo eu sendo assim o oposto do oposto do oposto do que você sonhou ou do que você é capaz de amar, não esqueça que eu fui a única que teve coragem de respirar por você, parar o mundo por você e te aceitar como você é? É, não esqueça, eu amei você...