Pages

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Clichê

Odeio clichês. Nada mais clichê do que isso, eu sei, mas eu realmente não me sinto a vontade com o clichê que transformaram a vida. Tudo tão rápido, tão fugaz. Um dia você conhece, no outro você ama e no seguinte já está odiando e tentando seguir em frente. E ai tudo recomeça. Do mesmo jeito, sem muita emoção. É como se tivéssemos entrado em um circulo vicioso. Sabe aquela roda que os hamsters usam para brincar? Estamos vivendo mais ou menos assim. Presos dentro das nossas próprias gaiolas andando seguidamente em nossas rodinhas particulares que saem do nada e chegam no lugar nenhum. E quando alguém tente romper esse vício, a gente não deixa. Temos medo de sair do nosso mundinho, do nosso cubículo seguro. Temos medo de abandonar o clichê da vida para arriscar algo novo. Somos humanos ok? A gente não gosta mesmo do que é diferente. É da vida. Quase ninguém tem coragem de arriscar uma nova perspectiva. Se bem que, lá no fundo, é só isso que todo mundo quer. Cada um de nós tem no íntimo o imenso e incomparável desejo de voar, de se atirar no abismo e deixar as coisas acontecerem. O desejo de não ter que parar para compreender, mas para aproveitar, contemplar. Todo mundo tem essa vontade, mas o medo, o clichê, complica tudo. Por que arriscar ser o louco se há um lugar mais seguro e incólume para viver? Acho que parar encontrar essa resposta alguém precisa pular primeiro... Você se arrisca?

2 comentários:

Del disse...

Amei o texto, pois mais uma vez me enxerguei nele... é chato percebe que a vida é um mero clichê e sinto desapontá-la, mais parece que ela nunca deixara de ser assim. Pois pessoas como nós não sabem ficar sozinhas, então logo arruma um
novo romance e sendo assim, o velho roteiro se repete!

Jeniffer Yara disse...

Ah sim!Eu me arrisco! É preciso abandonar o clichê de nossas vidas,e pelo menos uma vez,viver sem ele.
Amei o texto! *-*

Beijo