Pages

domingo, 21 de março de 2010

Vou-me embora...

Manuel Bandeira, em sua beleza poética, disse que iria para Pasárgada. Ela, em sua falta de poesia, disse mesmo que ia para o Alasca. Arrumou as malas e colocou-se na estrada. Caminhou lentamente por entre ruas e avenidas. Conheceu outros rostos, outros hábitos e outras culturas. Se jogou contra o novo mundo de possibilidades que se abriam a sua frente. Entrou de cabeça em jogos de amores, em amizades passageiras e em cenas de um filme repetido. Era só uma fantasia de que as coisas podiam mudar se estivesse longe. Tudo era igual, mas ela não percebia. O simples fato de estar em outro universo dava a ela uma injeção de ânimo e de coragem. Precisou sair de si e ir para bem longe para voltar a si e entender que não há lugar melhor no mundo do que o dela.

2 comentários:

Tania Girl disse...

Ai que post lindo!!!!Amei!!

ESsa é a prova que fugir nunca é a melhor solução!
bjos

Tiêgo disse...

Ai, que máximo *-* Nossa, ficou mara, mesmo! Aliás, Manuel Bandeira e suas palavras acalentadoras, não? Mas que homem completo!

Arrasou, Tay *_*

Beijo, te amo <3